Modos de design e debug

Saiba mais sobre os dois modos disponíveis no canvas para ajudá-lo a construir e depurar fluxos.

O canvas tem dois modos: design e debug. Por padrão, ele abre no modo de design, onde você cria e edita seu fluxo. Ao executar o fluxo, o modo de debug é ativado para ajudá-lo a rastrear o caminho de execução e ver mais informações sobre cada componente.

Modo de design

O modo de design é onde você faz seu trabalho. Neste modo você configura os componentes e cria o fluxo.

Enquanto você cria seu fluxo e antes de executar pela primeira vez, apenas o modo de design fica ativo.

Modo de debug

Para ativar o modo de debug, você deve abrir o Painel de execução no modo de design e executar o fluxo. O modo de debug é ativado quando há mensagens na execução.

O modo de debug não é ativado se:

  • O fluxo não é executado.

  • Não há mensagem ou o número de mensagens é insuficiente.

  • O limite de 5000 mensagens foi atingido. Nesse caso, você pode limitar o número de loops ou reduzir o tamanho do pipeline.

Uma vez executado o fluxo, você deve clicar no botão Debug na parte superior da tela para entrar no modo de debug, conforme a imagem abaixo.

No modo de debug, o caminho de execução é mostrado com uma linha verde. A linha tracejada e os componentes esmaecidos representam a parte do fluxo que não foi executada. Componentes vermelhos no fluxo significam que a execução falhou.

Veja uma ilustração desses elementos visuais:

Este modo é somente leitura, portanto você não pode editar o fluxo enquanto estiver nele. Para editar o fluxo, você deve voltar ao modo de design clicando no botão Design.

As alterações feitas no modo de design não serão visíveis no modo de debug até que você execute o fluxo novamente. Isso é para facilitar a comparação, pois você pode visualizar o fluxo antigo enquanto edita o fluxo atual.

Componentes no modo de debug

Ao clicar em algum dos componentes executados, você tem acesso às seguintes informações no lado direito da tela:

  • Status da execução: status da execução do componente, que pode ser "Sucesso" ou "Falha".

  • Hora de início: o momento em que a execução do componente foi iniciada, em AAAA/MM/DD HH:mm:ss.SSS.

  • Hora de término: o momento em que a execução do componente terminou, em AAAA/MM/DD HH:mm:ss.SSS.

  • Tempo decorrido: o tempo decorrido durante a execução do componente, em milissegundos.

  • Input: a entrada que o componente recebeu.

  • Output: a saída que o componente envia.

  • Erros (apenas para componentes com falha): o erro que ocorreu quando o componente falhou.

Além dessas informações, você também pode clicar no ícone de engrenagem para ver a configuração do componente em modo somente leitura.

Mensagens no modo de debug

No Painel de execução, você pode acessar a aba Mensagens e dar um duplo clique em qualquer mensagem para ver no modo de debug o momento em que a mensagem foi gerada durante a execução.

Loops no modo de debug

Alguns componentes usados ​​no fluxo podem criar loops. Esses componentes são: Do While, For Each, Stream Excel, Stream File Reader, Stream File Reader Pattern, Stream JSON File Reader, Stream XML File Reader, e Stream DB V3.

Quando um loop é criado, você pode navegar pelos índices no menu de navegação na parte inferior da tela. As três maneiras de navegar são usando as setas, clicando nos três pontos para abrir o índice desejado ou inserindo o índice no campo Ir para.

O índice do loop atual é exibido no menu de navegação e também na trilha de navegação entre colchetes ( [ ] ), por exemplo “For Each 1 (OnProcess) [27]”. Neste caso o valor “[27]” representa o loop atual.

Loop dentro de um loop

Um fluxo pode conter loops dentro de loops. Se você estiver em um OnProcess e quiser entrar em outro OnProcess no modo debug, pode se deparar com dois cenários diferentes:

Cenário 1: acessando o OnProcess de um componente que foi executado

Vamos supor que você esteja no OnProcess de um componente For Each (mais tarde chamado de “For Each A”) e esteja observando o loop número 2. Então você está neste ponto do fluxo:

root > For Each A (onProcess) [2]

Dentro do loop número 2 deste OnProcess, existe outro For Each, o qual chamaremos de “For Each B”, que foi executado. Ao acessar o OnProcess do For Each B, o subfluxo será a continuação do caminho que você visualizou no nível anterior.

Agora, você está neste ponto do fluxo:

root > For Each A (onProcess) [2] > For Each B (onProcess) [0]

Cenário 2: acessando o OnProcess de um componente que não foi executado

Vamos supor que você esteja de volta ao OnProcess do For Each A, mas agora no loop número 5. Então você está neste ponto do fluxo:

root > For Each A (onProcess) [5]

No loop 5, o For Each B não foi executado, mas você ainda pode acessar seu OnProcess normalmente. Ao acessar o OnProcess, o modo debug corresponderá automaticamente ao nível anterior do caminho de execução onde o subfluxo de For Each B foi executado.

Como o For Each B foi executado no loop 2, a trilha de navegação é atualizada para:

root > For Each A (onProcess) [2] > For Each B (onProcess)[0]

Se você retornar ao nível For Each A, verá o loop 2 em vez do loop 5.

Importar execução no modo de debug

Ao importar uma execução para o canvas, o modo de debug é ativado e você pode analisar a execução no modo somente leitura.

A execução importada será aberta no modo de debug somente se a execução tiver sido exportada após o lançamento dos modos de design e debug.

A navegação no canvas, que inclui a flow tree, campo de busca, e alertas do linter, sempre leva em consideração o modo em que você está.

Por exemplo, se você adicionar um novo componente no modo de design, poderá vê-lo na flow tree, encontrá-lo por meio da busca e ver os alertas do linter. No entanto, se você não executar o fluxo, o componente não existirá no modo de debug e não será encontrado na flow tree ou na busca, nem terá alertas.

Last updated